sábado, 18 de outubro de 2014

União: característica primordial para o povo de Deus

Queridos este texto refere-se a uma instrução ministrada em na congregação de Igarassu Centro. Nela pela misericórdia de Deus tentei passar a necessidade e importância de vivermos unidos. Mas para isso me apoiei em um texto já escrito pelo Pr. Hernandes Lopes e Pr. Fidelis Paixão.

Texto base: Sl 133.1 - Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união.
Viver em união é uma característica do povo de Deus. Mas não é fácil é preciso que lutemos para isso. 
Estar unido não é apenas estar juntos, como também ser unânimes. podemos evidenciar a união mesmo com divergências de pensamentos, pois a convergência é para Jesus.
Mas antes de falarmos sobre União propriamente dita, nesta abordagem inicial falaremos da base, da sustentação desta união: o amor!

INTRODUÇÃO
O amor é o maior de todos os mandamentos (Lc 10:27) – Amar a Deus e ao próximo é o maior de todos os mandamentos.
O amor é o cumprimento da lei (Rm 13:8-10).
O amor, o oxigênio do Reino de Deus.
O cristão é conhecido não apenas pela sua teologia, mas sobretudo pelo seu amor.
O amor, a essência da vida cristã – O amor é a prova da maturidade cristã. Paulo destaca três virtudes: a fé, a esperança e o amor, mas o amor é o maior destes.
a) O amor é mais importante do que o conhecimento (1 Co 8:1-3) – o amor edifica, mas o conhecimento ensoberbece.
b) O amor é mais importante do que os dons espirituais (1 Co 13:1-3) – Línguas, profecias, sinais – tudo passará, mas o amor subsistirá eternamente.
c) O amor é mais importante do que a caridade e o martírio (1Co 13:1-3) – Ainda que eu dê todos os meus bens e entregue o meu corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada serei.

I. O MAIOR MANDAMENTO“Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Lc 10:27).

1. Amar o próximo como a si mesmo é o requisito mínimo
  • A lei da retribuição dizia que você devia amar o próximo e odiar o inimigo. 
2. Amar o próximo como a si mesmo é fazer por ele o que você faria por você mesmo
  • Todos nós temos necessidades a serem supridas. Pensamos não apenas em nós primeiro, mas não pensamos no próximo. A parábola do bom samaritano: o sacerdote e o levita passaram de largo.
  • O próximo é toda pessoa carente que está ao nosso alcance. Pode ser o estranho, o parente, o vizinho ou até o inimigo – O próximo do homem caído à beira da estrada foi o samaritano que parou, olhou, socorreu.
Jesus falou em dar pão, água, roupa e visitar os pobres e os presos como evidência de que você é uma ovelha e não um cabrito.
João Batista diz que arrependimento pode ser evidenciado quando você ter comida e repartir com quem não tem e ter duas mudas de roupa e dar uma para quem não tem nenhuma uma.

II. O NOVO MANDAMENTO
“Novo mandamento vos dou, que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei. Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns pelos outros” (Jo 13:34-35).
1. Amar os irmãos como Cristo nos amou é um mandamento novo em seu perfeito exemplo “Como eu vos amei”.

Esse amor não tem limites. Ele vai às últimas consequências em favor da pessoa amada. Cristo deixou a glória, o céu e desceu, encarnou-se, esvaziou-se, fez-se servo, sofreu, foi perseguido, cuspido, pregado na cruz. 
a) Amor perseverante (Jo 13:1) – Cristo amou os seus discípulos e amou-os até o fim.
b) Amor humilde (Jo 13:4-5) – Jesus pegou a toalha e a bacia. Quem ama não se sente diminuído com a toalha na mão.

2. Amar os irmãos como Cristo nos amou é um novo mandamento em seus motivos inspiracionais – 1 Jo 3:16 Cristo deu sua vida por nós e agora devemos dar a nossa vida pelos irmãos.

Os crentes da Macedônia não apenas fizeram ofertas generosas aos crentes pobres de Jerusalém, mas deram a si mesmos e por isso, deram além de suas posses.

3. Amar os irmãos como Cristo nos amou é um novo mandamento em seus gloriosos resultados

O amor vale mais do que mil palavras. O mundo escuta de nós muitos discursos e vê em nós poucas obras de amor. O mundo vai conhecer que somos discípulos não por:
a) Nossa ortodoxia – como a igreja de Éfeso.
b) Nossa liturgia e dons – como a igreja de Corinto
c) Mas pelo amor – como na igreja de Jerusalém.

III. O AMOR UNIFICADOR
“Eu lhes fiz conhecer o teu nome e ainda o farei conhecer, a fim de que o amor com que me amaste esteja neles e eu neles esteja”. Jesus quer que sejamos UM! 

Assim como o Pai, o Filho e o Espírito Santo são um, Jesus quer sejamos um: não estamos competindo. Não devemos ter ciúmes. Devemos preferir em honra uns aos outros.

Paulo diz que não podemos ter complexo de inferioridade nem de superioridade. A oração de Jesus é para que sejamos UM. Gênesis 11:1-9 e Mateus 18:19,20.

Unidade é Ação coletiva, que tende a um único objetivo; coesão; integração; união. Na unidade não significa que todos se tornam iguais, que as diferenças desapareçam, mas significa que cada um abre mão do seu “pensamento próprio” para caminhar junto numa mesma visão, num mesmo propósito com os demais, para o cumprimento de metas estabelecidas pela liderança ou coletivamente.

Unidade é um assunto muito sério, unidade é um assunto tão importante para Deus, que Jesus antes de ser crucificado passou um longo tempo ministrando e intercedendo por seus discípulos e por todos nós, para que pudéssemos aprender e receber o espírito da unidade, nos tornando um só com Cristo e um só uns com os outros. Jesus disse que o mundo só o conheceria se visse esse espírito de unidade em nós (João 17:21-23). E também em Gênesis 11:1-9 nós vimos que a unidade atrai a atenção de Deus, que a um povo unido nada se torna impossível.

Por que as pessoas deixam de andar em unidade?

Auto-pastoreio Podemos identificar alguns motivos ou causas que fazem com que as pessoas deixem de andar em unidade:

- Egocentrismo: porque acham que sua opinião ou seu jeito de fazer é melhor do que o de seu líder ou do coletivo.

- Competição: querem sempre estar “certas” e serem “melhores” que os outros ou que seus líderes.

-: não conseguem se abrir para serem ensinadas, conduzidas, pastoreadas, caminhar em bando como as ovelhas. Judas versículo 12 fala que essas pessoas que se auto-pastoreiam, ou seja, que são pastores de si próprias e não se submetem a pastores e líderes espirituais, são iguais a “nuvem sem água” e “árvores sem raízes”, são estéreis e não geram frutos que permanecem.

- Opressão maligna: há um espírito maligno atuando em suas vidas. Em alguns casos é um legado de orfandade, quando as pessoas não tiveram a figura paterna presente e acolhedora na sua infância. Em outros casos trata-se de um “espírito de bode” mesmo, que gera pessoas solitárias, que não sabem viver em bando como as ovelhas. Mas para todos esses casos é possível a cura e a libertação em Cristo Jesus.

A Unidade gera força
- Porque Deus habita no meio da unidade (Leia Mateus 18:19-20).
- Porque um ajuda ao outro (Leia Eclesiastes 4:9-12).

Satanás tem todo interesse em afastar as pessoas do corpo, pois ao afastar uma pessoa da unidade, ele prepara o bote para ataca-la com mais facilidade, já que sozinha ela está mais vulnerável (Hb. 10:24,25).

Tipos de unidade que nos dão poder:
Unidade no casamento e na família
Unidade entre Deus e Eu. 
Unidade entre mim e você, isto é, entre os irmãos em Cristo.
Unidade com minha equipe de trabalho, com as pessoas com quem compartilho o ambiente de meu sustento ou de estudo. (Colossenses 3:23 e Efésios 6:5-9).

Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união.
É como o óleo precioso sobre a cabeça, que desce sobre a barba, a barba de Arão, e que desce à orla das suas vestes.
Como o orvalho de Hermom, e como o que desce sobre os montes de Sião, porque ali o Senhor ordena a bênção e a vida para sempre.
Salmos 133:1-3
Material de Apoio:
Pr. Hernandes Lopes
Pr. Fidelis Paixão


Nenhum comentário:

Postar um comentário